domingo , 18 fevereiro 2018
Capa / Ribeirão Bonito / Polícia / Adolescentes confessam latrocínio de agricultor em Ribeirão Bonito
Adolescentes confessam latrocínio de agricultor em Ribeirão Bonito
(Foto: Lucas Castro/RB Na Rede)

Adolescentes confessam latrocínio de agricultor em Ribeirão Bonito

Caso continua sendo investigado pela Polícia Civil que acredita ter mais envolvidos no crime

Lucas Castro

No início da tarde deste domingo (7), dois adolescentes de 16 e 17 anos, acompanhado de seus familiares, compareceram na sede da 2ª Companhia de Polícia Militar do 38º Batalhão, em Ribeirão Bonito, e confessaram o latrocínio cometido contra um agricultor da cidade ocorrido no dia 5 de janeiro.
Segundo os menores, eles estavam em uma mangueira na estrada de terra que liga a região do cemitério de Ribeirão Bonito á área de acesso ao rio Jacaré Guaçu, quando passou por eles uma caminhonete Mitsubishi L 200 Triton, chumbo, placas de Ribeirão Bonito, conduzida pela vítima, e eles foram para o centro da via e fizeram sinal para que o agricultor parasse e pediram uma carona.
Ao parar a caminhonete, os adolescentes informaram que o agricultor além de não dar a carona solicitada, ainda os chamou de “noías” e disse que não daria carona para drogados, e seguiu.
Portanto, os adolescentes contaram ainda que perceberam que o agricultor parou a caminhonete e foram até o veículo cobrar uma atitude do mesmo.
O menor de 16 anos Paulinho revelou que apanhou um facão de cortar cana, o qual estaria usando para abrir caminho, e o de 17 anos uma faca de cozinha que levava com ele, e ao encostar do lado da caminhonete, o agricultor desembarcou do veículo e partiu para cima deles, onde os dois reagiram.
O adolescente de 16 anos afirmou que golpeou o agricultor com vários golpes de facão e o outro menor por algumas vezes com uma faca e que a vítima chegou a caminhar e cambaleando caiu morto no canavial, enquanto a pessoa que estava também na caminhonete abriu a porta do passageiro e saiu correndo, se embrenhando no canavial.
Ainda de acordo com os adolescentes, eles jogaram suas armas em uma mata e rapidamente entraram na caminhonete onde o mais novo assumiu o volante da caminhonete, saiu com o veículo e perdeu o controle da direção e após rodar a caminhonete, foi parar em uma valeta, bateu, subiu e capotou, sendo que um deles sofreu um ferimento pequeno em uma das pernas e o outro teria deixado cair o telefone celular, mesmo assim se embrenharam no matagal ao lado da cana e fugiram.
Ambos os menores contaram que após sair do canavial e da mata em que se encontravam , cada um tomou um destino e correu para suas casas, onde acompanharam pela imprensa as notícias sobre a morte do agricultor.
O garoto de 16 anos tentou ir embora, sendo que no sábado (6) se dirigiu até a cidade de Porto Ferreira para tentar uma carona para o estado de Pernambuco, onde pretendia se asilar, porém regressou à Ribeirão Bonito.
Na manhã do domingo, os adolescentes resolveram conversar com familiares e contar todo o caso e a morte do agricultor na casa de um dos menores. Os genitores ouviram dos filhos a confissão sobre o bárbaro crime e o pai de um deles desconfia da versão deles e não acredita que o filho teria cometido o ato infracional de latrocínio, porém ambas as famílias concordaram, a pedido dos garotos, apresenta-los na sede da 2ª Companhia.
Os infratores foram levados para o Plantão Policial de São Carlos, onde o delegado Dr. Maurício Antônio Dotta e Silva tomou ciência dos fatos e pediu a internação dos menores, que foram encaminhados ao Núcleo de Atendimento Integrado (NAI) de São Carlos e aguardam vagas em uma Fundação Casa.
Porém a versão dada pelos menores não convenceu também a Polícia Civil e o Dr. Maurício acionou o delegado titular de Ribeirão Bonito, Reinaldo Lopes Machado, que dará sequência as investigações, para desvendar se os garotos realmente cometeram o latrocínio sozinhos, se teria uma terceira pessoa no local do crime, uma possível emboscada armada por uma terceira pessoa com outros autores, um crime passional e ou até mesmo o roubo seguido por morte praticado por dois homens, encapuzados, que após o crime deixaram os capuzes na caminhonete e os adolescentes estariam sendo usados para confessarem os fatos e livrar a cara dos verdadeiros autores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>